Retribuindo conforme a natureza de cada um.

Mestre e discípulos iam por uma estrada. Quando passou por uma ponte, viu um escorpião sendo arrastado pelas águas.

O mestre correu pela margem do rio, meteu-se na água e tomou o bichinho nas mãos.

Quando o trazia para fora, o bichinho ou o picou, e, por causa do dor, ou o homem deixava cair novamente no rio.

Voltou, pegou um ramo de árvore, entrou no rio, colheu ou escorpião e salvou.

Voltando, juntou-se aos discípulos na estrada. Eles haviam assistido a cena e o receberam perplexos.

Mestre, deve estar fazendo muito!

Por que foi salvar esse bicho ruim e venenoso? Que ele se afogasse! Seria um a menos! Veja como ele respondeu à sua ajuda! Picou a mão que o salvou! Não merecia sua compaixão!

O mestre ouviu tranquilamente os comentários e respondeu:

Ele agiu conforme sua natureza e eu, de acordo com a minha.

Nestes últimos dias, todos foram abraçados e acolhidos pela grande ponte. Certamente muitos dos que estavam lá, diferentes, não falharam, têm respeito, reclamam e até zoaram a “velha senhora”, como tem sido chamada de Ponte Hercílio Luz em Florianópolis.

Com uma razão ou não, ao tentar derrubar, foi recuperado. Por um preço alto? Em todos os sentidos, creio!

Toda espera tem seu prêmio. Aceite uma visita turística em todo o estado por número de dias, milhares de pessoas, tribos Sucesso até vender comida nas cabeceiras da ponte.

A moral da história aqui para mim é que: podemos vencer o mal com o bem. Acolher com imponência, robustez, simplicidade e beleza, até quem não botou muita fé.

Vamos em frente? Juntos somos mais!

A gente se vê ; )

Empresário, fundador e CEO do Grupo PRODUZA, publicitário, multiartista, neuropsicobiomédico clínico da saúde.

Empresário, fundador e CEO do Grupo PRODUZA, publicitário, multiartista, neuropsicobiomédico clínico da saúde.