A angústia do dia dos pais nas mentes de pais e filhos.

Dando continuidade ao treino de hoje, continuamos na busca do autoconhecimento, a consciência do eu que sou, das nossas emoções e sentimentos, e o que nossas memórias trazem de dentro para fora.

O dia dos pais é sempre uma data esperada, celebrada, mas existe um lado encolhido, oculto na mente de muitos pais e filhos que retrai um comportamento. Desde uma mensagem ou ligação, até o ato de uma visita ou presentes na data comemorada.

No contexto clínico, estas épocas geram sentimentos de angústia, de inquietação para alguns e até um desespero mental para outros.

Embora normalmente sejam vistos como sinônimos, emoção e sentimento são considerados movimentos diferentes para o psiquismo.

Nossas memórias são feitas de tudo que passamos na vida: momentos bons, ruins, divertidos, momentos de aprendizado e conhecimento, etc.

Pesquisadores rastrearam nossa memória e descobriram que as memórias são armazenadas ao longo de estruturas cerebrais em muitas as conexões entre os neurônios.

Esse armazenamento pode ocorrer de duas maneiras. Memórias de curto prazo são processadas na parte frontal do cérebro em uma região altamente desenvolvida, chamada lóbulo pré-frontal.

Então, a memória de curto prazo, vivida ao longo da vida, recebe tons emocionais e é convertida em memória de longo prazo no hipocampo, uma área mais profunda do cérebro.

Trago as emoções para referenciar estes momentos tão presentes em datas como dia das mães, dos pais, natal, pois esta é uma sensação física que é provocada por algum estímulo, um acontecimento.

Na sua origem, emoções nos servem como movimentos provocados de dentro pra fora. Mas muito disso ocorre de uma forma insconsciente.

Segundo a Psicanálise, teorias e práticas de fatores inconscientes do cérebro humano, estudadas e defendidas por Sigmund Freud, médico neurologista e psiquiatra criador da psicanálise, as experiências passadas, os traumas, ausências, as vezes aparentemente situações tão simplistas, marcam uma vida por completo, gerando graves histerias e obsessões, como aborda em sua teoria.

De forma inconsciente, estes traumas tendem a manifestar-se em forma de sentiments mau elaborados, confusos, que em nada alegram esse dia, esta data.

Pensar sobre qual a origem do sentimento, reportar-se ao dia, ao momento, processar as intenções é um passo de estabilizar a mente.

Você sente que tem rejeição ou age com descaso? Reveja momentos passados. Há algo marcante que bloqueou questões emocionais e esta é uma primeira grande chance de abrir as janelas da alma e ativar a inteligência emocional de cada filho, de capa pai que atravessa desconfortos emocionais ao lembrar desse dia. Uma perda, uma tragédia, fatalidade, tudo pode vir a ter um propósito maior, acredite.

Perceber e crer na dura realidade que o outro, mesmo sendo seu pai, cometeu, trará saúde emocional.

Independente do que passou, do que viveram ou não viveram, considere que o erro pode ter sido uma tentativa de acertar. Afinal, ninguém dá a outrem o que não tem. Ninguém entrega o que não recebeu.

Há um dizer importante sobre os pais e filhos; os pais que você tem pode ser tudo que você precisa para se tornar o que um dia será.

Nisto, a vida nos incentiva a desenvolver a aceitação, sobretudo a ressignificação do que um dia deveria ser e simplesmente não foi.

Empresário, fundador e CEO do Grupo PRODUZA, publicitário, multiartista, neuropsicobiomédico clínico da saúde.

Empresário, fundador e CEO do Grupo PRODUZA, publicitário, multiartista, neuropsicobiomédico clínico da saúde.